28 junho, 2011

Cinco dias felizes e um triste

Fui a banhos! Caramba, que já não me via numa praia assim, durante uma mã'cheia de dias seguidos, há uns bons anos!
Foram manhãs passadas à beira mar, com maré baixa, sol e mais vento do que seria desejável, mas muito boas. Talvez porque não estou habituada a ter férias, achei por bem levar comigo o Moleskine para não ter aquela sensação do "podias estar a desenhar" e tentar tirar alguma coisa da paisagem à minha frente.
Bom, desenhar na praia não é fácil não... para além do sol nos queimar a retina por reflexão na folha de papel branca, a humidade da maresia e a areia não ajudam muito... ainda assim tentei pelo menos acertar nas cores, já que as formas em si pouco ou nada têm a ver com o mar que tinha à frente...
Foi tudo pintado com água doce (ainda pensei em usar água do mar, assim por poesia, mas ao ver o estado meu cabelo depois dos banhos de mar, achei que não queria essa sorte para os meus queridos pincéis de aguarela).
No meio de toda esta felicidade estival houve só um acontecimento a assombrar as mini férias: Um senhor (um perfeito desconhecido) que fazia pesca submarina bem perto de umas rochas, junto à zona onde estávamos, afogou-se na manhã do nosso primeiro dia de férias... O nadador-salvador, demasiado puto e nervoso provavelmente, gritou para que se chamasse o 112 e o meu telemovel estreou-se nesse triste telefonema.

Mas o senhor já estava morto quando o nadador salvador deu por ele. Aparentemente já estava a boiar e sem se mexer há algum tempo. Fizeram-se todas as reanimações possíveis até chegar o Inem. E os bombeiros. E a guarda costeira.

Tinha diabetes e uma filha de 4 anos dizia a noticia no jornal do dia seguinte.

Custa a querer que se tenha afogado assim, na maré baixa. O colega com quem ele estava nem deu por nada e foi avisado por um outro banhista, caso contrário teria continuado na água a perseguir algum peixe, como se nada se passasse.
Ficou-nos a imagem do INEM a dar a noticia à viúva (que estava noutra praia) quando saímos para o almoço...

Como é que um mesmo dia pode ser tão bom para uns e tão mau para outros?

2 comentários:

Mário disse...

Já há muito tempo que sigo o seu blog. Ana. Gosto muito, e então as ilustrações são deliciosamente engraçadsa - algumas lindas, também.

Mas desta vez não resisto a comentar. Um post magnífico. A Ana escreve bem, e deu aqui nuances de alegria e tristeza com enorme sesibilidade. Pôs aqui, afinal, o que a vida é.

Tenho passado por isso.

Parabéns.

Mário

Ana Oliveira disse...

Obrigada Mário. Gosto muito de desenhar e também de escrever, mas há dias em que não estou minimamente inspirada. Hoje correu bem, apesar da temática...